desfaço os sinais dos inventores de mentiras, e enlouqueço os adivinhos

Estudantes que se recusam a ser monitorizados são castigados por escolas tiranas do Texas | 03Nov2012 12:05:52

 Tracking_School_Children_With_RFID_Tags_It_s_All_About_the_Benjamins_290x160.png
 

A sociedade de vigilância continua a expandir-se na América e aqueles que se recusam a obedecer estão sujeitos a recriminações e represálias.

É o que se está a passar com os estudantes da John Jay High School e da Anson Jones Middle School em Santo António, cujos pais recusam que os filhos sejam monitorizados por técnicos escolares.

De acordo com relatórios, os distritos escolares aplicaram novas regras a 1 de outubro que exigem que cada estudante compareça às aulas com um cartão de identificação com uma fotografia no qual está embebido um chip de identificação de radiofrequência (RFID), para que os técnicos possam monitorizar o local onde se encontra cada aluno. Segundo os educadores, isto é necessário para deter o absentismo escolar galopante, que, por sua vez, está a retirar uma grande fatia do financiamento escolar. Se, eventualmente, o programa for considerado eficaz, os técnicos planeiam alargá-lo à totalidade das 112 escolas do distrito, que abrangem cerca de 100.000 estudantes.

Os jovens que não usam os dispositivos de identificação – que devem transportar no bolso ou à volta do pescoço – queixam-se que estão sob a mira dos professores e que não lhes é permitido participar em certas funções escolares. Alguns disseram mesmo que lhes foi recusada a entrada em zonas comuns como as bibliotecas e as cafetarias.

Marca da besta?

Uma estudante, Andrea Hernandez, a frequentar o segundo ano na John Jay, afirmou numa entrevista que os educadores ignoram os seus pedidos para que a sua privacidade seja respeitada e disseram-lhe que ela não podia participar nas eleições escolares se não obedecesse ao programa de monitorização (parece que a Constituição não é de facto ensinada em muitas escolas dos Estados Unidos hoje em dia).

Numa entrevista com Salon, Andrea Hernandez disse que sujeitar-se a essa monitorização contínua era como ser rotulada com "a marca da besta", uma referência bíblica ao Livro do Apocalipse.

Posteriormente, numa entrevista separada publicada pelo WorldNetDaily, Hernandez afirmou que a escola respondia ameaçando-a de que perderia o direito de votar no próximo concurso escolar para a eleição do rei e da rainha por desobedecimento.

"Um professor disse-me que não me deixariam votar porque eu não tinha a identificação correta de eleitor", disse Hernandez ao WND. "Eu tinha o meu cartão de identificação de estudante antigo, que inicialmente nos tinham dito que servia para os quatro anos que estaríamos na escola. Ele disse-me que eu precisava do cartão de identificação novo com o chip para poder votar."

Depois de se recusar a usar a identificação com o chip RFID, o jornal da Internet afirmou que o Superintendente Adjunto Ray Galindo enviou uma notificação aos pais de Hernandez: "Estamos pura e simplesmente a pedir à vossa filha que use um cartão de identificação como se pede a qualquer outro estudante ou adulto no campus da Jay."

Se ela continuar a recusar, prosseguiu Galindo, as repercussões futuras serão mais severas do que a simples revogação dos direitos de voto nos próximos concursos, a partir do momento em que a escola decida tornar a monitorização uma regra de comparência obrigatória.

"Peço que aceitem esta solução para que o programa educacional da vossa filha não seja afetado. Tal como discutimos, haverá consequências pela recusa em usar um cartão de identificação assim que começarmos a avançar com a implementação total", escreveu Galindo.

Steve Hernandez, pai de Andrea, disse ao WND que, dentro de certa medida, a escola parecia querer trabalhar com a filha, mas adiantou que a família não está disposta a "concordar em parar de criticar o programa" e aprová-lo publicamente.

"Eu disse-lhe que isso era inaceitável porque implicava uma aprovação da política distrital e a minha filha e eu não devíamos ter de desistir dos nossos direitos constitucionais de falar contra um programa que achamos errado", afirmou Steve Hernandez.



Student_RFID_Chipping_Conditions_American_Youth_to_Accept_Government_Surveillance.jpg



Lucrar com a destruição da privacidade

Sucede que há dinheiro na monitorização e na violação da privacidade – pelo menos neste caso.

O Distrito Escolar Independente de Northside vai arrecadar mais de 2 milhões de dólares de financiamentos estaduais para rever o seu historial de fraca assiduidade escolar; o programa RFID só vai custar cerca de um quarto desse valor, acrescido de 136.000 dólares de custos de manutenção anuais.

Mas esse dinheiro provavelmente não vai compensar os danos causados por violações não intencionais da privacidade no outro extremo: Heather Fazio, da Texans for Accountable Government, disse ao WND que apresentou um pedido ao abrigo da Lei sobre a liberdade de informação relativamente ao programa, pelo qual pagou uma taxa de 30 dólares, e recebeu os nomes e moradas de todos os estudantes do distrito.

"Utilizando esta informação juntamente com um leitor RFID significa que um predador pode utilizá-la para determinar se um estudante está em casa e depois segui-lo para onde quer que ele vá. Estes chips estão sempre a emitir, portanto qualquer pessoa com um leitor pode localizá-los em qualquer lugar", disse ela.

Uma porta-voz da American Civil Liberties Union disse ao jornal local San Antonio Express-News, no início deste ano, que a sua organização espera contestar juridicamente o programa de monitorização.

Mas Rebecca Robertson, que trabalha com uma secção local da organização, afirmou que "a ACLU do Texas não poderá representá-lo nem à filha nesta matéria", dizendo que o caso não satisfaz os critérios do grupo.

Fontes:
http://www.wnd.com
http://www.theblaze.com
http://rt.com/usa/news/texas-school-id-hernandez-033/

15 Out 2012,  J. D. Heyes, Naturalnews

Learn more: http://www.naturalnews.com/037548_students_micro-chipped_public_schools.html#ixzz29M8lFysj



A MARCA DA BESTA

"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome."

Apocalipse 13:16-17



Receber a marca da besta terá consequências eternas.
Não receba a marca da besta!
Quem adorar a besta e receber a marca da besta irá receber a ira completa de Deus.

O livro de Apocalipse dá-nos este aviso veemente:



E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão,

Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.

E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome.

Apocalipse 14:9-11




E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.

Apocalipse 20:4


 




 


Partilhar:

Artigos Relacionados
Comentários
Não existem comentários

Nome:
Endereço de email (não será publicado):
comentários:

O Futuro
Tradutor
Procura
Arquivo
Perseguição Notícias

christian_persecution.jpg

Islão: matar e submeter

Jihad_sword_index.png

Carta de Notícias

Subscreva a carta de notícias "Acordem" de Xavier Silva


Email:
Subscrever RSS

RSS url_to_submit_my_site_sites_websites_submission_rss_sm_1.jpg

Como escapar?

Rescue_Portug__sun_.jpg

PORTUG___Sheeple_39_190.jpg

David Dees galeria
Música

Ouça música enquanto navega!

img_musica.jpg

Contacto
Online

Mortes iraquianas...

Mortes iraquianas devido à invasão norte-americana

Iraq Deaths Estimator

©2017, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional