desfaço os sinais dos inventores de mentiras, e enlouqueço os adivinhos

Repórter da BBC: Google prepara-se para "suprimir Jornalismo legítimo” - A decisão "Direito a ser esquecido" ameaça "coibir a liberdade de expressão" | 29Set2014 19:04:00

Robert_Peston_030714pes.jpg

O editor de economia da BBC, Robert Peston, adverte que a implementação por parte da Google da controversa decisão "direito a ser esquecido" está contribuindo para "suprimir o jornalismo legítimo", após um de seus artigos sobre o chefe da Merrill Lynch, Stan O'Neal, ter sido apagado do motor de busca.

Uma decisão recente do Tribunal Europeu de Justiça determinou que o Google deve excluir dados "inadequados, irrelevantes ou já não relevantes" quando recebe um pedido para fazê-lo, o que poderia abrir as comportas para que indivíduos poderosos, empresas e instituições ocultem provas anteriores de irregularidades numa reversão arrepiante para o "buraco da memória" de George Orwell.

Peston reclama do Google por este ter notificado a BBC que um dos seus artigos de 2007 havia sido excluído dos resultados de pesquisa para usuários do Google na Europa. Esse artigo falava sobre o papel do ex-chefe da Merrill Lynch, Stan O'Neal, no colapso financeiro.

Peston questionou porque é que o artigo representava informação "inadequada, irrelevante ou não relevante", afirmando: "Há um argumento segundo o qual com a remoção do blog, o Google está confirmando os temores de muitos na indústria de que o "direito a ser esquecido" será abusado para coibir a liberdade de expressão e para suprimir o jornalismo legítimo, o qual é do interesse público."

Peston mais tarde atualizou a sua peça e fez notar que poderia ter sido um indivíduo na seção de comentários a sinalizar o artigo para eliminação pelo Google, uma perspectiva que ameaça um "desaparecimento" ainda mais difundido de artigos de notícias.

O Google já recebeu mais de 50.000 pedidos para remover artigos de seus resultados de busca europeus, nos poucos dias desde que a decisão foi implementada e contratou "um exército de paralegais” para lidar com o afluxo.

O Guardian de Londres também foi informado que seis de seus artigos haviam desaparecido no buraco da memória, com o editor de projetos especiais do jornal, James Ball, avisando, "provavelmente haverá muitos mais, à medida que os ricos e poderosos procuram limpar as suas imagens on-line, sem dúvida com a ajuda de uma nova onda de empresas de "gestão de reputação". "

Ball diz que as decisões editoriais pertencem às editoras e não ao Google, e que os meios de comunicação precisam lutar contra aquilo que representa um desafio à liberdade de imprensa.

Como já salientamos anteriormente, o Google e a sua filial YouTube rotineiramente aquiescem aos pedidos das autoridades para remover as informações, inclusive com base em justificativos duvidosos, tais como o material conter "críticas ao governo."

Um exemplo disso foi o cumprimento, por parte do YouTube, de um pedido do governo britânico para censurar cenas do protesto do British Constitution Group’s Lawful Rebellion [Rebelião Legal do Grupo da Constituição Britânica], durante o qual eles tentaram realizar uma prisão civil do juiz Michael Peake no tribunal do condado de Birkenhead.

As ordens do governo para remover conteúdo do Google dispararam nos últimos 18 meses, com pedidos aumentando 26% nos últimos meses de 2012.

por Paul Joseph Watson | 3 de julho de 2014

http://www.infowars.com/bbc-reporter-google-moving-to-suppress-legitimate-journalism/





Google_alguns_res_remov_a.jpg
 

FAQs
De que forma a Google está a implementar a recente decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia sobre o direito ao esquecimento?

A recente decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia tem consequências profundas para os motores de pesquisa na Europa. O Tribunal considerou que determinados utilizadores têm o direito de solicitar a motores de pesquisa, como o Google, a remoção dos resultados para consultas que incluam o respetivo nome. Para serem qualificáveis, os resultados mostrados teriam de ser inadequados, irrelevantes, deixarem de ser relevantes ou excessivos.

Uma vez que esta decisão foi publicada a 13 de maio de 2014, temos estado a trabalhar arduamente para estarmos em conformidade. Trata-se de um processo complicado, uma vez que é necessário avaliarmos cada pedido individual e equilibrar os direitos da pessoa para controlar os respetivos dados pessoais com o direito do público de saber e distribuir as informações.
https://www.google.pt/policies/faq/
(acessado 19 Out 2014)



Partilhar:

Artigos Relacionados
Comentários
Não existem comentários

Nome:
Endereço de email (não será publicado):
comentários:

O Futuro
Tradutor
Procura
Arquivo
Perseguição Notícias

christian_persecution.jpg

Islão: matar e submeter

Jihad_sword_index.png

Carta de Notícias

Subscreva a carta de notícias "Acordem" de Xavier Silva


Email:
Subscrever RSS

RSS url_to_submit_my_site_sites_websites_submission_rss_sm_1.jpg

Como escapar?

Rescue_Portug__sun_.jpg

PORTUG___Sheeple_44_190.jpg

David Dees galeria
Música

Ouça música enquanto navega!

img_musica.jpg

Contacto
Online

Mortes iraquianas...

Mortes iraquianas devido à invasão norte-americana

Iraq Deaths Estimator

©2018, BlogTok.com | Plataforma xSite. Tecnologia Nacional